Fórum unbreakable
Olá visitante!!!

Para ter acesso a tradução do Livro Conspiração Michael Jackson da Afrodite Jones, você precisa ser cadastrado no site. Desculpe-nos o inconveniente. Não esqueça de comentar agradecendo a gentileza do administrador.

Não esquecer de ativar a conta no seu E-mail.

Agradecemos o seu interesse e seja bem vindo(a) ao Unbreakable.

Atenciosamente a Administração.

Don't Be Messin' 'Round

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Don't Be Messin' 'Round

Mensagem por Maíra Vida em Dom Set 16, 2012 11:23 pm




A HISTÓRIA POR TRÁS DA CONTAGIANTE CANÇÃO RECÉM-LANÇADA DE MICHAEL JACKSON.

A demo de "Don't Be Messin' 'Round"é uma das dezenas de faixas inéditas das sessões de Bad, e fornece percepções sobre o Rei do Pop, composição e processo de gravação.

Foram 25 anos desde que Michael Jackson esteve em Westlake Studio, em Los Angeles que dãoos retoques finais em seu clássico álbum de 1987, Bad. Hoje, uma demo de uma música inédita daquelas sessões vai finalmente conseguir um público ao relançamento da Sony de Bad original do primeiro single, "I Can't Just Stop Loving You”, chegar as prateleiras do Wal-Mart. O lado B, uma faixa de ritmo contagiante chamada "Don't Be Messin' 'Round"oferece um vislumbre processo criativo de Jackson — e a sua incrível libertinagem como compositor.

Jackson tinha o hábito de escrever e gravar dezenas de canções potenciais para cada novo projeto. Este foi especialmente o caso para a era Bad, um período prolífico em sua carreira. Em um momento, ele pensou em fazer um álbum Bad triplo, dada a quantidade de material de qualidade. Então é justo que posteriormente a esse baque, a Sony Music e o espólio de Jackson lancem um álbum de material inédito das sessões de Bad.
Embora a lista de faixas ainda não foi finalizada e não será tornada pública até próximo da data de lançamento em 18 de setembro, mais de 20 demos novos e inéditos das sessões de Bad atualmente estão sendo considerados para o álbum. As músicas a serem avaliadas incluem uma série de verdadeiras jóias e alguns títulos até então desconhecidas para os aficionados mais fervorosos de Jackson.

A equipe de colaboradores de Jackson e responsáveis do espólio, incluindo Sony VP John Doelp, produtor Al Quaglieri (que supervisionou o conjunto de caixa excelente 2004, Michael Jackson: The Ultimate Collection) e engenheiro de gravação, Matt Forger, vasculharam os cofres para ver o que era viável para o lançamento 25 Bad.
Os critérios utilizados para a identificação de potenciais das canções foram simples: Eles tinham de ser gravadas durante a era Bad (1985-1987), e tinham de ser desenvolvidas o suficiente para se sentir como uma faixa completa.

O espólio de Michael Jackson e a Sony Legacy estão deixando o trabalho de Jackson cru e sem adornos desta vez, ao contrario do primeiro álbum póstumo do Rei do Pop, o polêmico Michael de 2010. As faixas serão, assim, menos polidas, mas, mais autênticas, orgânicas e fiéis ao que Jackson deixou para trás. Similar ao aclamado documentário 2009, This Is It, o objetivo é fornecer uma visão íntima do artista no seu elemento. O ouvinte, em essência, é trazido para o estúdio com Michael Jackson para acompanhar como funciona uma variedade de idéias musicais para o álbum mais vendido de todos os tempos.

"Don't Be Messin” ilustra bem este conceito. Na trilha, pode-se ouvir Jackson dando as instruções, vocalmente ditando partes instrumentais, mapeando onde acentuar palavras ou adicionar percussão, sustento e improvisos das muitas letras inacabadas. "Uma das principais intenções é mostrar que estas são obras em andamento", diz Matt Forger, um engenheiro de som e amigo de longa data de Jackson e colaborador. "Para puxar a cortina. Para realmente verMichael em seu ambiente de trabalho natural, como ele dirige, seu senso de humor, seu foco."

O produto final é, então, intencionalmente inacabado e espontâneo. "Você pode ouvi-lo se divertindo", diz Forger. "Seu espírito e emoção estão totalmente lá. Ele sabia que em demos ele não tinha que ser totalmente perfeito na sua execução. Portanto, ele seria solto. Lançar improvisos na dança ou no canto, estalar os dedos ou bater palmas. Você apenas ouve-o se divertindo. "

Jackson primeiro escreveu e gravou " Don't Be Messin" durante as sessões de thriller com engenheiro Brent Averill. Por esta altura, estava trabalhando em uma variedade de idéias musicais, incluindo demonstrações de "PYT" e "Billie Jean". " Don't Be Messin '" apresenta o próprio Jackson tocando piano ("Ele fazia mais do que ele realmente deixava as pessoas saberem", diz Forger). Ele também produziu, organizou e orientou muitas das peças instrumentais, incluindo as cordas cinematográficas, parte Jonathan Maxey de piano na ponte, e David Williams licks de guitarra funky.

Em última análise, uma vez que " Don't Be Messin '" não foi totalmente desenvolvido e muito outro material forte estava chegando de Thriller, Jackson decidiu colocar a música em segundo plano, tendo em vista a revisitá-la para seu próximo álbum. "Essa foi uma espécie de como Michael desenvolveu idéias e canções", explica Forger. "Ele deixou a música se desdobrar em seu próprio tempo. Às vezes, uma música não estava pronta ou não se encaixa perfeitamente ao caráter de um álbum ou um projeto e ela iria ficar nos cofres. Então em um determinado ponto do tempo, ela seria retirada de novo. "

Neste caso, a faixa de re-surgiu em 1986, durante as fases iniciais das sessões de Bad. Jackson trabalhou na música, principalmente com a gravação de engenheiros Forger Matt e Bill Bottrell no "laboratório", o apelido para o seu home studio reformado no Hayvenhurst. Como era típico para faixas de ritmo de Jackson, a canção foi bastante longa (cerca de oito minutos) em suas fases iniciais. "Michael adora uma música que seja longa", diz Forger. "Ele adora a ranhura porque ele começa a dançar para ele, que é uma grande coisa, porque quando Michael sente a música, está fazendo ele dançar, isso significa que o ritmo está no controle."

Ranhuras de Jackson, no entanto, foram incomuns, em que muitas vezes não tinham a repetição previsível de muita dance music, surpreendente com estranhas batidas padrões, texturas e nuances. "Algumas dessas versões longas de ["Don't Be Messin '"] soa realmente muito interessante porque há coisas diferentes acontecendo em diferentes seções," Forger diz. "Não é realmente como se estivesse sentado lá por oito minutos pensando que é terrivelmente longo, porque as coisas estão acontecendo dentro desse período de tempo que fazê-lo sentir como," Sim, isso é legal. "É realmente gratificante ouvir o ritmo. "

Reduzir a canção era muitas vezes um processo brutal para Michael Jackson, especialmente asintroduções e Outros. Tal como acontece com outras músicas Thriller e Bad, porém, Jackson tentou reduzi-la para a faixa de quatro a cinco minutos, que é onde o novo mix de " Don't Be Messin" cronometrou.

Jackson continuou a trabalhar em "" Don't Be Messin '" no final de 1986, em ambos os estúdio em casa e em Westlake. Porém, depois que Quincy Jones chegou a bordo, começou uma redução grave e " Don't Be Messin" foi deixada no piso da sala de corte. Jackson iria retirar a canção novamente durante as duas sessões Dangerous e History, atualizando seu som e adicionando novos elementos. Claramente, foi uma música que ele gostava. Mas, enfim, nunca encontrou um lar.

O que Forger mixou foi a última versão que Jackson trabalhou durante as sessões de Bad em 1986. Forger sente que é a versão mais pura, mais emocionalmente satisfatória: "É exatamente como Michael a ditou no momento é precisamente Michael, dizendo: "Isto é como tem que ser. "

A demo de 1986 não é uma música inovadora. O vocal é apenas força-parcial, a letra não está concluída, e a produção não é próxima ao que seria se tivesse sido totalmente realizada por Jackson e Quincy Jones. No entanto, é uma sólida adição à lista crescente de qualidade da era Bad (uma lista que também inclui "Streetwalker", "Fly Away" e "Cheater"). "É como um cativante gancho melódico subjacente," Forger diz. "E tem uma sensação rítmica que sincopa de maneira tão interessante." Em uma entrevista de 2009 lendário engenheiro de gravação de Bruce Swedien citou a faixa como uma de suas favoritas canções inéditas de Jackson. "É linda", disse ele. "Oh meu Deus, não há nada como isso."

Gosto muito do seu trabalho, a faixa não se encaixam perfeitamente em um único gênero, fusão de sabores latinos, jazz e pop. Com seu alegre ritmo de Bossa Nova e camadas de ganchos entrelaçadas, é uma canção que facilmente fica presa na cabeça e faz você querer mover-se — ainda também premia várias escutas com sua síncope sofisticada e complexo arranjo de ritmo ("Música é como tapeçaria," Jackson disse uma vez. "São camadas diferentes, tecendo dentro e fora, e se você olhar para ela em camadas você entende melhor.")

Para Forger, trabalhar na faixa provocou lembranças de uma época mais simples da turbulenta carreira de Jackson: "Ele apenas trouxe todos os sentimentos de volta de como era naquela época. Michael era apenas esta pessoa exuberante e feliz. Ele queria desafiar o mundo e fazer música maravilhosa, excelente."

Qual foi o objetivo do Forger em ressuscitar a faixa?

"Apenas para torná-la autêntica. Algo que Michael iria desfrutar e se orgulhar. Ela tem o seu encanto e energia. Se as pessoas apreciarem e desfrutarem por aquilo que ela é, então, vou me sentir ótimo. Tudo que eu quero é que ela seja apreciado para a coisa simples que é."

Fonte: http://www.theatlantic.com/entertainment/archive/2012/06/the-story-behind-michael-jacksons-infectious-newly-released-song/258115/

Tradução Maíra: http://michael-iloveyoumore.blogspot.com.br/search/label/BAD%2025



.......
avatar
Maíra Vida
Ben
Ben

Feminino Número de Mensagens : 223
Data de inscrição : 01/02/2012

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum