Fórum unbreakable
Olá visitante!!!

Para ter acesso a tradução do Livro Conspiração Michael Jackson da Afrodite Jones, você precisa ser cadastrado no site. Desculpe-nos o inconveniente. Não esqueça de comentar agradecendo a gentileza do administrador.

Não esquecer de ativar a conta no seu E-mail.

Agradecemos o seu interesse e seja bem vindo(a) ao Unbreakable.

Atenciosamente a Administração.

O Legado de Michael Jackson é "Intocável"

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O Legado de Michael Jackson é "Intocável"

Mensagem por Tay em Sex Jan 04, 2013 7:26 pm

O Legado de Michael Jackson é "Intocável"

Detalhes meticulosos não podem mascarar a falta de percepção neste retrato sobre uma das figuras mais importantes da minha juventude.


Por Jacqueline Woodson
Traduzido por Tay Viera




Naquele momento ele tinha dois anos e meio de idade, meu filho estava obcecado por Michael Jackson - cantando letras ilegíveis para "Billie Jean", dançando junto com "Smooth Criminal" e "Bad", nos alertando sobre quanto "Thriller" era assustador. Sua obsessão faz sentido para mim, porque Michael Jackson fazia sentido. Eu fui uma criança dos anos 1960 e 70, crescendo na parte Bushwick do Brooklyn (no velho Bushwock, não o que as pessoas brancas agora vivem). Cresci no fim da White Flight (a última família branda deixou nosso bloco com 1971) na terro do afro esplendidamente arredondado, onde os cânticos dos Black Panthers e Young Lords fluiam em nossas línguas, não poeque entendemos a sua enormidade, mas porque rimava e sentia poderosa. Nos vimos refletidos nas obras de Nikki Giovanni e Pedro Pietri.

Poderíamos ser o próximo Shirley Chisholm ou Badillo Hermon. "Say it Loud", de James Brown gritava para nós. "Eu sou negra e tenho orgulho". Nina Simone nos disse que eramos jovens, talentosos e negros. Jesse Jackson nos mandou para dizer "EU SOU Alguém!" E nós éramos. E Michael Jackson representou fabulosamente todos embrulhados em um menino e seus irmãos.

Minha mãe migrou da Carolina do Sul, em 1968, e encontrou uma liberdade em Nova York que ela nunca poderia sentir em casa. Mas o Sul fico com ela – nos amendoins salgados e bolos que parentes enviavam, na cadência lenta do Sul de suas palavras e sempre que a questão da raça era falada. Que era frequente. Nos fins de semana, ela escolhia a peruca afro, pulverizado com Spray para cabelo afro e o sentava em seu suporte de isopor, seu próprio cabelo curta natural agora livre por 48 horas.

Quando Michael Jackson e seus irmão apareceram na tela da televisão, minha irmã e eu beijamos o vidro, enquanto meus irmãos praticavam movimentos suaves do grupo atrás de nós e minha mãe olhava com orgulho, silenciosa adoração. Nas raras ocasiões em que nossa mãe nos permitia assistis a um filme de Elvis Presley, que sabia que era melhor que ir perto da tela. Era simplesmente pela graça de ter uma televisão com apenas seis canais funcionando e um fim de semana de dia chuvoso que ele era mesmo permitido dentro da nossa casa. Uma e outra vez, ouvimos como Elvis havia sido citado como dizendo que a unica coisa que pessoas negras poderiam fazer por ele era fazer brilhar os sapatos. Tínhamos palestras “ad nauseam” sobre como ele tinha roubado nossos movimentos, nosso estilo de cantar, mesmo uma, duas ou três canções. Ele era profundamente “não amado” em nossa casa e em muitas casas da nossa comunidade predominantemente negra e latina. Mas minha irmão e eu secretamente amávamos. A diferença era que nós amávamos Elvis à distância. Sabíamos que nunca iríamos encontrá-lo, que ele nunca iria olhar nos nossos olhos e realmente nos ver. Sabíamos que as meninas que ele amava e fora da tela não eram negras e bonitas – como nos estava sendo ensinado que éramos. Nós sabíamos que Elvis não entenderia nossas maravilhas. Nós sabíamos que ele era diferente. Mas isso não importa. Tivemos Michael. Michael Jackson e seus irmãos olharam para a câmera e nos viram. Sua pele era marrom como a nossa. Seu cabelo era grosso e natural como o nosso era. Suas roupas eram, se pudéssemos ter proporcionado a eles, roupas que teríamos usado. E em nosso pequeno lugar no universo, nossa família teve uma ligação ainda mais profunda. The Jackson Five, haviam rumores, como nós, eram Testemunhas de Jeová. Numa altura em que o nossa conservadora, incompreendida (mesmo por nós) religião era algo que colocava minha irmão, irmãos e eu muito distantes até mesmo de nossos amigos mais próximos, aqui estávamos assistindo um superstar que acreditava no Armageddon, a ressurreição, o Novo Mundo, Jeová. Aqui era um ídolo que não tinha permissão para celebrar aniversários ou feriados, que, quando não estava na estrada, provavelmente tinha que sentar-se nas mesmas segundas-feiras à noite de estudos bíblicos, estudos de domingo pela manhã no Sentinela, quinta à noite e da Escola do Ministério e da curta oração “Obrigado, Senhor, por este alimento e todas as outras bênçãos, atravpes de seu filho, Jesus Cristo. Amém” Antes de cada refeição. A possibilidade de um dia estar no mesmo lugar, com Michael Jackson, neste mundo ou no próximo, fazia surpreendente sentido para nós. Afinal, era uma parte do plano de Deus. Ou assim pensávamos.

Mas os anos se passaram.

Nós crescemos e longe da religião. Saíamos ou permanecemos fechados, passamos para a faculdade e temos empregos fora da escola. Como demos passos para o mundo, tivemos “Bçack is beautiful” e “Boriqua Forever” profundamente arraigados em nosso sangue e no sangue e nossa sensação de que poderíamos ser e foram nos fazendo corajosos e nos movendo em frente. Michael Jackson mudou fisicamente, assim como nós. Ganhamos peso ou não, cresceram os seios, ajeitamos o cabelo, arrumamos nossas sobrancelhas. E mesmo se tivéssemos sido ensinados que “Black Don’t Crack” – que a melanina na nossa pele mante as rugas londe e que só as pessoas brancas fazem coisas malucas como a cirurgia plástica – alguns de nós tiveram um pouco de trabalho feitos em torno dos olhos, permanentemente ajeitaram o cabelo, tiraram um pouco de gordura dos quadris ou estômago, estreitaram nossos narizes apenas um toque. Não queremos ser brancos ou até mesmo “menos negro”. Queríamos ser um pouco diferente.

Como jovens adultos, que não sabiam a profunda história do abuso físico de Michael e não entendiam o trauma de sua infância. Enquanto olhamos para os espelhos de nossos “eus” futuros através as pessoas que vieram antes de nós, Michael olhou para nós. E, para ele, milhões de pessoas gritando deve ter refletido como nada mais para ele do que um futuro apenas ligeiramente mais escuro do que o seu passado. Como uma criança que cresce com o abusivo Joe Jackson como pai, que era o pai imprimindo a profundidade de sua beleza? Quem foi seu conjunto de amigos que lhe disseram o quanto era incrível, conheceram ele profundamente e o significado?

Como uma comunidade de cor, vimos o impacto trágico do mundo sobre o rosto e olhos de Michael em constante mudança. Ele parecia tão sortudo quanto um menino na tela de televisão em preto e branco de nossas infâncias. Agora, fomos percebendo, que nós somos os sortudos. Que, enquanto aqueles no mundo que nunca poderiam realmente nos conheceram rotularam nosso gueto de comunidade e nos chamam de menos favorecidos (que viria a ser substituído por “carente” e, finalmente, simplesmente “urbano”), que estavam sendo protegidos e mimados pelos pais, que estavam indo garantir que nosso senso de beleza e valor seria sentido por todo o caminho para nossa medula.

É por isso que quando li o título da biografia exaustiva e desgastante de Randy Sullivan, “Untouchable: The Strange Life and Tragic Death of Michael Jackson”, eu já havia adiado. A vida de quem não é estranha? Cuja morte não é trágica? Que tipo de olhar do lado de fora poderia chegar com um título insensível como tal? Como poderia Randy saber algo, se ele não se sentiu, como nós, na frente da tela da tv como o mundo em preto e branco e o que significava ser uma criança de cor dentro do mundo que caiu sobre nós. E anos mais tarde, quando as pessoas brancas me perguntavam como explico o “branco” Michael Jackson aos meus filhos, eu respondi “O que há para explicar?”. Porque qualquer um que tenha passado um minuto neste país sabe que não se pode “tornar-se branco”. “Michael Jackson era um performer incrível com um passado devastador e que não tinha espelhos com que ver a seu lindo eu e quis, assim, mudar seu rosto que eu amava como um filho. Ele não era menos negro. Nem menos Michael. Pelo menos, não para as pessoas que realmente o viram.

Sullivan traz uma incrível quantidade de detalhes para a biografia. Pergunte-me sobre o quarto de infância de Michael. Eu posso te dizer agora. Pergunte-me sobre os advogados, ações judiciais, puxa-sacos e vícios em benzos. Eu sei. Pergunte-me sobre seus hábitos de gastos, aliados e inimigos e aliados que se tornaram inimigos. Pergunte-me sobre Michael e seus filhos indo para Las Vegas ou como eles viajavam e do tamanho do seus quartos de hotel. No entanto, eu encontrei-me desengatada e francamente aborrecida com as minúcias. Era como se Sullivan percebesse muito cedo que ele não tinha nenhuma pista sobre quem Jackson realmente era, e ao invés de descobrir sobre isso (e talvez até falar um pouco sobre o que significa ser um homem branco escrevendo sobre um homem negro), ele tentou preencher buracos em minúsculas, com detalhes desnecessários. Página após página após página deles.

E porque cada detalhe é cuidadosamente escrito e relatado com uma tal falta de empatia ou sem exame de auto-refrexão, pelo tempo que que tive até o meio do livro, eu não queria mais isso na minha casa. Ele não aprofundou ou diminuiu meus sentimentos ou compreensão de Michael Jackson. Sim, existem 601 páginas deste livro, seguidas de outras 175 páginas de notas e reconhecimentos. Para alguns, isso pode parecer importante – que alguém queira gastar tanto tempo e papel investigando uma vida. O que me entristece é que Sullivan parece ter perdido a parte mais importante do que a vida – que mudou e continua mudando a vida das pessoas de cor em todo o mundo.

Meu filho tem quase cinco anos agora, e apesar de ter superado sua obsessão por Michael Jackson, sempre que uma das músicas de Jackson toca, ele para tudo o que está fazendo e parece distante enquanto ouve as palavras. Ao perguntar-lhe se ele vai cantar junto, ele às vezes faz, outras vezes, ele diz “eu estou só ouvindo”. Talvez ele já saiba o que Sullivan nunca aprendeu – a história de Michael Jackson, como sua música, é inerentemente entendido por aqueles que realmente o escutam. E para aqueles que o fazem, outra explicação não é necessária.

Fonte: Salon (não consegui postar o link)
Créditos: Blog MJ Scream

Tay
ABC
ABC

Feminino Número de Mensagens : 4
Data de inscrição : 02/01/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Legado de Michael Jackson é "Intocável"

Mensagem por Unbreakable em Sab Jan 05, 2013 12:06 am

Me manda o link por mp q eu posto =)

_______________
avatar
Unbreakable
Administração
Administração

Número de Mensagens : 499
Data de inscrição : 17/05/2008

Ver perfil do usuário http://unbreakable.ativoforum.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Legado de Michael Jackson é "Intocável"

Mensagem por Tay em Sab Jan 05, 2013 5:03 pm

Unbreakable escreveu:Me manda o link por mp q eu posto =)

Não consegui te enviar tbm! Sad Diz que não tenho permissão pra links externos.

Tay
ABC
ABC

Feminino Número de Mensagens : 4
Data de inscrição : 02/01/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Legado de Michael Jackson é "Intocável"

Mensagem por Unbreakable em Seg Jan 07, 2013 4:22 pm

Oxe vamo marca pro chet e tu me manda lá então

_______________
avatar
Unbreakable
Administração
Administração

Número de Mensagens : 499
Data de inscrição : 17/05/2008

Ver perfil do usuário http://unbreakable.ativoforum.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Legado de Michael Jackson é "Intocável"

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum